terça-feira, 17 de setembro de 2013

Costela de Leitão



Costela de Leitão


Ingredientes:

Costelas de Leitão
Mostarda
Molho Shoyu
Mel
Cebola
Ervas Finas
Vinho Branco
Limão
Azeite
Sal a Gosto

Modo de Preparo: 

Primeiramente passe a faca entre os ossos da costela para o sal e o tempero penetrarem na carne, passe sal entre as costelas. 
Corte a cebola em quadradinhos, misture todos os temperos, aplique nas costelas e deixe descansar até o dia seguinte. Depois é só assar!

Testato e aprovado pelo Alemón








domingo, 16 de junho de 2013

Manjericão




Manjericão


O manjericão tem um odor muito intenso. Esta erva é usada frequentemente na cozinha italiana, para pizzas e massas. As folhas também dão um sabor interessante quando usadas em saladas verdes. É rico em cálcio, cobre, ferro, zinco, vitamina A, B3 e B6 e vitamina E. A nível medicinal é apropriado para transtornos pontuais como insónia de tipo nervoso, prisão de ventre, constipação, vertigens, ciclo menstrual e infecções.

Assim como a maioria das ervas aromáticas, o manjericão pode ser cultivado dentro de casa, no peitoril de uma janela que receba sol directo, ou no jardim. É importante que seja colocado num local ensolarado, onde este possa receber, no mínimo, 6-8 horas de luz por dia. Esta planta necessita também de um solo com boas condições de drenagem e um pH a situar-se ente 6,0 e 7,5.


Fonte:
Movimento Novos Rurais
Pessoas mais livres, plenas e felizes
https://www.facebook.com/novosrurais.farmingculture

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Pão de Minuto



Pão de Minuto – Ingredientes

Tempo de preparo: 1h30
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de margarina
2 colheres (sopa) de açúcar
1 ovo
1 colher (chá) de sal
1 xícara (chá) de leite
1 colher (sopa) de fermento em pó
Modo de fazer
Em um recipiente coloque a farinha, a margarina, o açúcar, o sal e o ovo levemente batido. Misture cada ingrediente adicionado. Junte o leite e mexa (neste momento, se necessário, adicione mais farinha à receita de pão de minuto). Coloque o fermento por último e sove a massa do pão de minuto sobre superfície lisa. Deixe-a descansar por aproximadamente 10 minutos coberta com um pano.
Depois de crescida a receita de pão de minuto, faça bolinhas e achate-as no fundo. Coloque em assadeira retangular (não precisa untar) e leve a receita de pão de minuto ao forno pré-aquecido 180°C/200°C por 20 minutos.

Legítimo Pão de Queijo



Pão de Queijo Mineiro, o legítimo



Os ingredientes influem muito no resultado do seu pão de queijo. Um bom polvilho e um queijo artesanal, verdadeiramente mineiro darão um resultado muito melhor do que se você usar um polvilho industrializado e outro tipo de queijo.
"mineiro de berço ou de coração, sabe bem do que estou falando. Nós comemos pão de queijo em praticamente todas as ocasiões que envolvem um evento, um café, uma prosa ou pelo simples fato de comer um na hora que der vontade. No café da manhã, no lanche.

Então, vamos ver a Receita:
Despeje numa vasilha 1 k. de polvilho azedo da marca Marinês, Amafil ou Santa Rita (são os melhores que conheço). Não estou fazendo propaganda, é verdade mesmo!
Adicione 1 colher de sopa de sal, 1 colher de sopa de manteiga e (se tiver) 3 colheres de sopa de farinha de milho moída. Reserve.
Antes, uma observação: A receita original, aquelas de fazenda mesmo, pede para escaldar o polvilho com 1 concha de óleo quente, junto com 1 copo de leite fervendo. Eu, particularmente, prefiro esquentar somente o óleo e despejar sobre o polvilho. Coloco o leite frio mesmo. Por que? Existem 2 tipos de pão de queijo: o com o miolo meio borrachento (que eu não gosto), que é quando escalda só com óleo e leite fervendo. Parece que ele não cresce tanto, por isso fica mais pesado. E o pão de queijo com miolo rendado, escaldando o polvilho somente com o óleo quente. Pode ser feito dos dois modos, fica ao gosto de cada um.


Bom, continuando a receita, esquente numa panela 1 copo (200 ml.) de óleo de soja limpo e despeje ainda quente sobre o polvilho. É lindo ver o polvilho chiando... Espere esfriar um pouco e vá dissolvendo com as mãos os pedacinhos grudados, deixe bem soltinho. Acrescente 4 ovos inteiros e vá misturando e pingando leite aos poucos (+ ou – 700 ml.) até ficar na consistência de enrolar.


Para terminar, coloque 1/2 queijo Minas meia cura ralado (ralo grosso) e enrole as bolinhas do tamanho que preferir. Assar em forno quente.



DICA: o pão de queijo ficará melhor, se enrolar toda a massa, colocar as bolinhas juntas no tabuleiro e levar ao freezer por umas 3 horas. Tirar do freezer e assar congelado em forno quente ou guardar em saquinho plástico, para quando quiser assar. Vai crescer muito mais ...


Curiosidade: O polvilho é classificado em doce e azedo, tendo por base apenas o teor de acidez. Na fabricação de pão de queijo não há diferença significativa quando se utiliza polvilho azedo ou doce. Apenas é possível observar que o pão de queijo feito com polvilho azedo apresenta maior volume, textura mais porosa, miolo mais esponjoso, leve e elástico, casca lisa e uniforme quando comparado ao pão de queijo produzido com polvilho doce. (Quitandas de Minas)

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Um pouco sobre a Culinária Indiana



A Culinária indiana é caracterizada pelo seu uso sofisticado e sutil de muitas ervas e especiarias, comida indiana em sua base e muito temperada, apimentada e perfumada.

Considerada por alguns como a culinária mais diversificada do mundo, cada ramo da cozinha indiana é caracterizada pelo uma ampla gama de pratos e técnicas culinárias. Embora uma significativa porção da comida indiana seja vegetariana, muito pratos indianos tradicionais incluem frango, peixe, bode, cordeiro e outras carnes. Bife não é comido pela maioria dos hindus.

No hinduísmo, boa parte das pessoas são vegetarianas, em respeito às formas de vida superiores (animais). Embora existam hindus que comam carne , eles predominantemente se abstêm de carne de boi ou vaca. Isso acontece porque o povo "Vedic" (e gerações subsequentes) dependiam fortemente do leite da vaca e produtos derivados, da força dela para arar a terra e do seu excremento para fertilizador que a vaca acabou sendo figura maternal - como a mãe que protege e apoia seus filhos.






Cerca de 30% da população hindu atual, especialmente em comunidades ortodoxas no sul da Índia, em alguns estados do norte como o Guzerate e em vários enclaves brâmanes à volta do subcontinente, é vegetariana. Portanto, enquanto o vegetarianismo não é um dogma, é recomendado como sendo um estilo de vida sátvico (purificador). 

 
Govinda

Diz-se que Krishna é tanto Govinda (pastor de vacas)como Gopala (protector de vacas), e que o assistente deXiva é Nandi, o touro. Com a força no vegetarianismo,que é habitualmente seguido em dias religiosos ou ocasiões especiais até por hindus comedores de carne. 
Embora a maior parte dos hindus não idolatram a vaca (embora muitos ainda veneram-na), ela ainda possui um papel importante na sociedade hindu - como melhor representação da benevolência de todos animais perante o homem.

O Milagroso Trigo Sarraceno



A resposta pode estar no consumo regular de trigo sarraceno, também chamado de trigo mourisco. Esse resistente grão é um marco da Europa oriental desde épocas remotas, e os russos têm uma participação importante no curso dessa história: a região em torno do lago Baikal foi a primeira área no mundo a registrar o cultivo perene desse tipo de trigo.
Bastante apreciado na Ásia, os grãos de trigo sarraceno europeus, chamados de grumos, são torrados, fervidos e consumidos tanto como mingau ou acompanhamento no lugar de arroz e batatas.
Das estepes da Ásia Central e das planícies siberianas, o trigo sarraceno trilhou seu caminho rumo ao Ocidente por meio de rotas de comércio e invasão históricas, e seu nome – sarraceno – foi dado em homenagem aos mouros do sul da Espanha.
Sua curta temporada de cultivo e a capacidade de germinar em solo infértil representaram uma salvação para grande parte da população pobre da Europa agrária.
Foram os holandeses que batizaram o grão em referência à Escritura Sagrada, pois acreditavam ter sobrevivido a adversários semelhantes ao longo dos séculos.
Eles foram os primeiros a trazê-lo ao Novo Mundo, onde desfrutou de grande popularidade no século 19, embora seja pouco conhecido nos dias de hoje.
Uma pena, contudo, pois o trigo sarraceno é uma excelente fonte nutricional. “Ele apresenta mais proteína do que o arroz, trigo ou milho, e não contém glúten”, escreve o nutricionista e autor de diversos best-sellers sobre o assunto, Nicholas Perricone, que coloca o trigo mourisco no topo da lista de grãos e leguminosas para seus pacientes.
O trigo sarraceno é um ingrediente presente e versátil na culinária russa.  A primeira vez que o encontrei foi em São Petersburgo no final dos anos 80, quando a oferta de alimentos ainda era limitada.
Minha amiga Asiia e sua mãe comiam trigo mourisco ou gretchka, como os russos o chamam, em todas as refeições. Durante minhas frequentas visitas, passei a consumir e apreciar o grão, não só pelo sabor, mas também pela quantidade de energia fornecida. Uma porção de gretchka é suficiente para manter uma pessoa em ação por boas horas.
Não é à toa que esse alimento milagroso da Rússia aparece sobre a mesa em quase todos as refeições. O mingau de trigo mourisco no café da manhã é seguido pela trigo sarraceno como acompanhamento para carne.
A combinação dos céus, contudo, é a mistura de trigo sarraceno com outra iguaria russa: cogumelos! A mistura de trigo sarraceno e cogumelos é um clássico e, para os imigrantes russos, representam o sabor de outros tempos.
O tradicional prato russo pode ser consumido como um acompanhamento saudável, recheio de aves, ou até mesmo como prato principal no caso dos vegetarianos.
Trigo sarraceno e cogumelos:
Ingredientes:
- 1-1/2 xícaras (375 ml) de grumos de trigo sarraceno crus
- 2 xícaras (500 ml) de caldo de galinha ou vegetais
- 2 cebolas grandes sem pele e picadas
- 3 dentes de alho picados
- 4 pequenos tabletes (30 ml) de manteiga, divididos igualmente em duas porções
- 1 ovo grande
- 60 gramas de cogumelos secos (experimente misturar os tipos chanterelle, morel e shiitake), limpos e cortados em cubos
- 1 xícara de vinho da Madeira, branco, ou água fervente
- 2 xicaras de cogumelos frescos (portobello e branco)
- ½ (120 ml) xícara de creme de leite fresco ou sour cream
- ½ (120 ml) xícara de creme de leite
- 2 colheres de sopa (10 ml) de noz-moscada fresca
- Sal e pimenta a gosto
- Salsinha fresca picada
Modo de preparo:
1.Coloque os cogumelos secos em uma vasilha e cubra-os com o Madeira ou água fervente. Certifique-se de que os cogumelos estão completamente submersos. Deixe descansar por, pelo menos, 50 minutos.
2. Pré-aqueça uma panela de ferro em temperatura média e torre os grãos de trigo, usando uma colher de madeira ou espátula para mexer. Torre-os por 3-4 minutos e depois acrescente o ovo. Misture-os de leve por 1-2 minutos. Adicione o caldo de galinha ou de vegetais. Reduza o fogo, tampe e deixe cozinhar por 12-20 minutos.  Quando só restar um pouco de líquido, tire a panela do fogo e reserve, ainda tampada, para terminar de cozinhar. O ideal é enrolar a panela em um cobertor e cobri-la com um travesseiro como fazem as vovós russas, mas deixá-la um pouco mais em fogo alto pode acelerar o processo!
3. Derreta metade (2 pequenos tabletes) da manteiga em uma frigideira funda. Quando estiver borbulhando, acrescente os cogumelos. Refogue por 7 minutos, até que os cogumelos comecem a soltar líquido. Reserve.
4. Use uma escumadeira para retirar os cogumelos re-hidratados da Madeira e colocá-los dentro da tigela ou frigideira com os cogumelos frescos salteados. Coe o líquido restante e reserve.
5. Derreta a outra metade da manteiga na panela de ferro. Adicione o alho e as cebolas. Refogue por uns 2-3 minutos e acrescente os grumos de trigo. Mexa por 4 minutos. Adicione, então, os cogumelos e a noz-moscada. Experimente antes de acrescentar sal e pimenta.
6. Despeje o sour cream (ou creme de leite fresco), creme de leite e metade do caldo dos cogumelos na mistura da panela. Misture todos os ingredientes.
7. Reduza a temperatura e cozinhe em fervura branda, mexendo com frequência para evitar que a mistura grude no fundo da panela. A consistência deve ser semelhante a de um mingau. Quando metade do líquido tiver sido absorvida, tampe e cozinhe em fogo baixo por mais 10-15 minutos até que o líquido seja absorvido por completo. Se for necessário, acrescente o resto de caldo de cogumelos em pequenas quantidades até atingir a consistência desejada – úmida, não líquida.
8. Decore com salsinha para dar um toque final.